REIKI - AS TRADIÇÕES DO REIKI


Reikimovimento

Achamos interessante, quando recebemos pessoas nos nossos cursos de Okuden (o segundo grau do Reiki) que dizem "Eu fiz o Primeiro Nível no Reiki Tradicional". Perguntam-nos também com frequência, nos telefonemas que recebemos a pedir informações sobre os nossos cursos: "O Reiki que ensinam, é o Tradicional?".

Perante tantas questões que recebemos, parece-nos importante tentar esclarecer o que é de facto, para nós, o Reiki Tradicional, porque Tradições relacionadas com o Reiki existem várias: da Tradição deixada pelo Dr. Usui, temos constatado que cada Mestre ou Professor de Reiki, molda o sistema, mais ou menos, de acordo com a forma como sente e trabalha com o Reiki. Nesta sequência, desde 1926, data do falecimento de Mikao Usui, até aos dias de hoje, quantas alterações terão já sido efectuadas?

Assim, quando se fala em Reiki Tradicional, é necessário esclarecer a que tradição nos estamos a referir: à tradição veiculada por Hawayo Takata, que teve as influências e alterações introduzidas por Chujiro Hayashi? À tradição de algumas escolas de Reiki mais modernas, que introduziram técnicas tibetanas no sistema, e que logo, são distintas da tradição de Usui? A uma das novas tradições, de alguém que decidiu criar mais uma ramificação do Reiki? Ou à tradição que o Dr. Mikao Usui realmente deixou?

A tradição que Mikao Usui realmente deixou como legado, está «religiosamente» guardada na Usui Reiki Ryoho Gakkai - a Sociedade (que é o significado de "Gakkai") que Usui fundou e que ainda hoje existe no Japão. Acontece que nesta Sociedade (desde o início), só são admitidos japoneses e aqueles que são admitidos, não são autorizados a ensinar Reiki fora da Gakkai.

Dado que muito poucos conseguem chegar ao grau Shinpiden, alguns membros da Gakkai, decidiram alcançar o mesmo grau, fora da mesma Sociedade - caso de Hiroshi Doi, que possui somente o grau Okuden da Gakkai e decidiu criar o seu próprio sistema de Reiki: o Gendai Reiki-Ho (eis outra tradição), após ter recebido vários Mestrados, de Mestres de Reiki Ocidentais.

Parece-nos assim claro que, dada a estanquicidade existente na Gakkai, não existe nenhum Ocidental que tenha recebido o Shinpiden directamente naquela escola, ou seja, não há Mestres de Reiki Tradicional de Usui (que se designa Usui Reiki Ryoho e que significa "Método de Cura Reiki de Usui") fora da Gakkai - aliás (segundo soubemos por intermédio de Hiroshi Doi), Mestre é um título que não se utiliza na Gakkai, tendo sido inserido nas Tradições Ocidentais.

Isto não invalida todavia, que alguns conhecimentos Tradicionais da Gakkai sejam conhecidos no exterior daquela sociedade japonesa - tratam-se de conhecimentos que foram divulgados recentemente ao "Mundo do Reiki", na sequência das investigações do alemão Frank Arjava Petter, que viveu cerca de 10 anos no Japão e conheceu alguns membros da mesma sociedade.

Também Hiroshi Doi (que é membro da Gakkai), tem veiculado informação diversa sobre as práticas originais do Usui Reiki Ryoho - que (felizmente) coincidem com as informações veiculadas pelo supra-referido investigador, autor e professor alemão.

Torna-se deveras interessante constatar como o Reiki tem evoluído no Ocidente e como se desenvolve no Japão: a partir do momento em que alguns praticantes de Reiki japoneses decidiram aprender algumas das tradições de Reiki ensinadas no Ocidente (segundo soubemos por intermédio de Hiroshi Doi), também na Gakkai, começaram a inserir técnicas e teorias praticadas e instituídas no "Reiki Ocidental" - em simultâneo, no Ocidente, insere-se nas tradições existentes, as práticas japonesas conhecidas recentemente.

Perante este cenário, parece-nos por demais evidente que, o Reiki Tradicional de Usui, está-se a perder no tempo - logo, será legítimo, chamarmos "Tradicional de Usui" ao Reiki que praticamos e ensinamos?

A nós não nos parece. Todavia, aprendemos com o tempo a respeitar todas as realidades - algo que não nos impede de termos uma opinião própria.

Por tudo o que aqui escrevemos, termos sempre muita cautela quando empregamos o termo Reiki Tradicional de Usui. Por respeito ao fundador do Reiki, e embora conhecedores de diversas práticas e técnicas Tradicionais de Usui, não consideramos o Reiki que ensinamos "Tradicional de Usui", tal como hoje na Usui Reiki Ryoho Gakkai, ninguém se considera Nível 2, por respeito a Mikao Usui. (saiba mais sobre os níveis da Gakkai).

O Reiki que ensinamos, unifica a tradição deixada por Hawayo Takata, algumas práticas tradicionais da Gakkai, assim como algumas meditações que achamos serem importantes para a integração do Reiki, de acordo com a nossa cultura. Porém, e uma vez que o pilar central do sistema que ensinamos é sustentado pela tradição de Hawayo Takata (principalmente, no que diz respeito ao conjunto de rituais de sintonização que usamos - distinto do que é usado na Gakkai) decidimos designá-lo pelo mesmo nome que a mesma Mestra de Reiki Norte-Americana o designou: Reiki Usui Shiki Ryoho (que significa Método de Cura Natural Reiki de Usui).

Para concluir, parece-nos importante sublinhar que é graças às diferentes tradições e às variações das mesmas tradições, que o Reiki tem chegado a tantos milhares e milhares de pessoas em todo o mundo. A Fonte do Reiki sabe o porquê de tantas variações - conseguir alcançar ou não esse «porquê», faz parte do caminho de cada um - e cada caminho deve ser honrado e respeitado, ainda que não esteja de acordo com aquilo que consideramos ser "o caminho".

Não obstante as tradições, ou os títulos, o que importa realmente são os resultados benéficos.

Confuso? Esperamos sinceramente que não. Se acha que talvez lhe possamos esclarecer alguma dúvida sobre as tradições do Reiki, por favor dê-nos conhecimento da mesma, aqui.

http://www.portais.org/_reiki/int_tradicional.htm


Reiki Símbolos 

Dai Koo Myo

Dai Koo Myo - Kanji do Japão

O Reikiano pode usá-lo visando sua proteção. É um símbolo usado como potencializador em qualquer espécie de trabalho do reiki, em qualquer lugar e hora.

Deve ser sempre usado antes dos demais símbolos para amplificá-los, acelerando  seus efeitos.

Não é recomendado na três primeiras sessões, pois a energia Reiki estará agindo mais a nível de limpeza.

Hon Sha Ze Sho Nem – Origem nos Kanjis do Japão

É um símbolo que, quando acionado, provoca literalmente a abertura de um portal interdimensional.

É um instrumento de intervenção nas ondas quânticas, onde são rompidas as ligações de tempo passado, presente ou futuro.

É uma via de acesso aos registros akásicos, onde se descrevem a dívida cármica, as obrigações, compromissos, destino, débitos, contratos e propósito de cada um de nós.

Também pode ser utilizado para o tratamento de algo não palpável, como a relação entre duas pessoas.

Enquanto o Choku Rei e energeticamente independente, o Hon Sha Ze Sho Nem e o Sei He Ki são dependentes da energia do Choku Rei para ativar e iniciar suas prerrogativas específicas.

 

Sei He Ki - Origem Budista

 

 É uma chave de acesso ao nosso inconsciente. O receptor (o cliente) volta a se conectar com seus aspectos emocionais nocivos o suficiente para processá-los e livrar-se deles.

O Sei He Ki atua sobre o corpo emocional e no subconsciente, desabrochando emoções internas escondidas, liberando energias nocivas de raiva, tristeza, depressão, medo, nervosismo etc. e também equilibra ambas as partes do cérebro; também pode ser usado para erradicar vícios: para melhorar a memória e tratar a obesidade (uma causa  de cada vez). É um símbolo eficiente para aliviar os seres humanos e os animais principalmente os domésticos, porque eles mantém laços de carinho intenso com seus donos e acabam propensos a participar do mal-estar, medos, depressão, frustrações,  etc. dos mesmos.

 Choku Rei – origem Taoista

 

É o primeiro símbolo do Reiki “Energia Cósmica Universal aqui e agora”.

É o símbolo mais poderoso do grupo. É amplificador de energia usado para tudo. Amplia a capacidade, a força ou a potência da energia usada no nível I.

É o símbolo que traz luz para o local e permite a conexão imediata com a Energia Primordial Cósmica. Traz a energia de outros planos dimensionais para o mundo físico, daí a possibilidade de tratar nossos corpos mais densos. O Choku Rei atua equilibrando primordialmente o corpo físico e o etérico.



Raku: Concluir/completar, alcance do nirvana inferior, esvaziamento do ego, aparição da imagem de Buda;Deus/Deusa Interior. Liberdade, iluminação, paz total. Libertação da ilusão do mundo material, libertação do corpo e da reencarnação, cura total. No Budismo, esse símbolo é usado dos pés até o chakra da coroa para afastar um espírito, entidade ou ser de um corpo. No Reiki, é usado do chakra da coroa aos pés para absorver a energia do Universo para o corpo/ser. (Intenções opostas e significado: Reiki é o uso material dos símbolos, Iluminação é o uso espiritual budista. O pensamento budista considera o corpo e sua cura irrelevantes.) (Definição dada pelo Reiki: o raio de luz, conclusão, integração.)

 


Nestes tempos de mudanças na Terra, o Reiki faz parte da cura da Humanidade e do Planeta. Ele pertence a todos. É o maior potencial de bondade que pode ser dado às pessoas deste Mundo. Nas culturas ancestrais, o Reiki era Universal e agora chegou o momento de levar o Reiki a todos, de curar a Terra, as pessoas e os animais. Não temos tempo para desculpas nem atrasos. Reconheçamos a necessidade de cura para todos nestes tempos de mudança planetária. O Reiki ajuda-nos a viver com compaixão, harmonia e união. Reiki é o nascimento de um novo futuro para a Humanidade".


Pesquisa: Reiki Aapostilas Oficiais

Autor: Jonny De  Carli – Ed. Madras

 


Reiki e o Ego

REIKI5

















A consciência do corpo é o nosso "EU" errado,
É o nosso "Ego"
Descobrir esse "Eu" deverá ser a nossa missão,
Pois procurando a sua fonte, ele irá desaparecer.
Tudo que é necessário é a perda do ego!
Somos essencialmente uma única consciência!

Deixe o Ego dormir para o Reiki Fluiratomo

A física quântica vai ao encontro dos ensinamentos de grandes mestres como Buda e Krishna, que nos ensinam a Amar a tudo e a todos, sem apegos materiais e sem ilusão que o mundo exterior cria em nosso ego humanizado.
O espírito só deixará de encarnar em um mundo de provas e expirações, como é a Terra, quando conseguir transcender essa ilusão criada pelo ego humanizado que o impede de Amar Incondicionalmente.

Nada neste mundo material nos pertence, nem nos nossos actos exteriores. A única coisa que pertence ao espírito em provação na Terra é o sentimento. O livre-arbítrio consiste em escolher se vamos ou não Amar Incondicionalmente.
É preciso ver sempre a essência por trás da aparência. E só o Amor é Real. Este ensinamento é fundamental para se sintonizar com a energia cósmica universal.
Não é um título que nos dá o Ser. Quando dizemos constantemente: Eu Sou, Eu Quero, Eu Posso; estamos a deixar o nosso ego fluir!
O Ego utiliza-se da nossa mente para agir, é exactamente aí que alimentamos nossos defeitos quando lhes damos ouvidos.
O nosso Real Ser não se comunica conosco através dos pensamentos. Ele comunica-se através da Intuição. Temos de "ouvir" a voz do coração, a voz de Deus!

Só ouvimos a voz do coração quando atingimos o Silêncio Mental.
Reiki e Ego não combinam, pois o Ego mata o Amor Incondicional. Quem diz Eu Sou, Eu Posso, Eu Tenho, não sabe Amar Incondicionalmente. Não precisamos gritar aos ventos "EU SOU", pois perante Deus somos todos Iguais.


ego



O Ego nada tem de Divino. O Ego tem mil caras e mil máscaras. Por vezes é rude, impiedoso, violento cínico, cruel… outras é educado, fino, sincero, amoroso, místico…
O Ego usa a máscara que mais lhe convier. O EU, de acordo com as circunstâncias, mostra-se tal como é ou esconde-se sob finas subtilezas.
O Ego não é mais que um grupo de "Eus"!
Deixe o Ego dormir, para o Reiki Fluir!




Namastê
http://monte-kurama-reiki.blogspot.com/2008/10/reiki-e-ego.html

Consulta Regressão com Reiki  
 reikilogo

 
 
A Regressão com Reiki é um sistema de transformação pessoal e de desenvolvimento humano. O objectivo é construir um melhor futuro compreendendo e reconhecendo as lições das vidas passadas e agindo agora com mais consciência e humanidade.
Cada vez mais pessoas são atraídas pela Regressão para perceberem a origem dos seus problemas actuais.
A minha experiência tem-me mostrado que de nada vale fazer uma regressão se se mantiverem os padrões de actuação e de pensamento. Assim, quando me procuram para uma consulta de regressão, aplico outras abordagens mais consciencializadoras, responsabilizadoras e eficazes que religam a pessoa à sua vida actual, sendo a regressão aplicada só numa segunda sessão, se for realmente necessária.
O que verifico é que, na maioria das vezes, não é necessário fazer Regressão para que as pessoas se sintam capazes de prosseguir com a sua Vida com mais Poder Pessoal.


Regressão com Reiki  
 
 
A Regressão com Reiki é um sistema de cura energética que nos proporciona o acesso a um tesouro de sabedoria que existe em cada um de nós e que nos permite descobrir toda a magia do passado, compreender o presente e trabalhar o futuro.
Há situações que o Reiki não cura. Mikao Usui dizia aos seus alunos que: “quando o Reiki não cura é porque há algo que precisa de ser reconhecido ou entendido”.
E é aí que a terapia de Regressão com Reiki nos permite reconhecer, entender e curar qualquer aspecto da nossa personalidade, algum medo, insegurança, hábito ou doença, ou desenvolver uma qualidade pessoal (ver Porquê fazer Regressão).
A Regressão com Reiki permite-nos abrir as portas do nosso auto-conhecimento, permite-nos ter acesso a traumas de infância ou de vidas passadas que continuam a causar bloqueios na actualidade, curando-os ou aliviando-os.
A compreensão é uma energia de cura. Voltar atrás significa encontrar-se conscientemente com coisas que se fez em inconsciência. Um Ser humano que recua liberta o seu passado.
Neste método, o terapeuta guia o cliente num relaxamento orientado, para levar a pessoa a um leve estado de hipnose (ALFA) a partir do qual terá acesso consciente às memórias necessárias para trabalhar o tema a que se propôs, com total liberdade de decisão para concluir o processo quando quiser.
É a pessoa quem explora as suas memórias, contando sempre com a experiência do terapeuta e a presença constante do Reiki.
Neste sistema a pessoa acede somente às memórias para as quais está preparada, enquanto a Energia vai curando o que é revivido ou relembrado.
A Regressão com Reiki ensina-nos que a consciência é imortal e o mesmo se passa com diversos aspectos da personalidade. Frequentemente, a alma regressa a uma nova vida com os mesmos talentos e capacidades que uma pessoa demonstrara numa vida anterior, bem como fraquezas ou problemas físicos.
Há alturas durante uma Regressão com Reiki em que as pessoas têm acesso a talentos desconhecidos na vida presente, depois de os terem recordado (e despertado) em vidas passadas.
O acesso a vidas passadas, mesmo que tenham sido difíceis, sofridas, violentas, mostra-nos que a Alma nunca morre. Dá-nos a dupla consciência da vida actual e da vida passada. Adquire-se um conceito muito mais lato da vida e das suas possibilidades, proporcionando paz através de uma compreensão mais vasta.

Razões para fazer Regressão


reikiREGRESSAO
 


  
Os motivos para fazer Regressão são ilimitados, tal como as possibilidades da terapia.
A Regressão com Reiki não é a cura de todos os males, mas é uma importante ferramenta energética.
Para mim, a curiosidade não é um motivo para fazer regressão. No meu entender, a regressão deve ter um objectivo concreto que seja útil para a vida actual. Assim, consegue-se explorar as memórias que nos trazem compreensão e uma nova luz à nossa vida.
O objectivo da regressão é construir um melhor futuro compreendendo e reconhecendo as lições das vidas passadas e agindo agora com mais consciência e humanidade.
Os motivos nomeados de seguida são apenas alguns dos que validam a importância desta terapia.
Problemas de Relacionamento
Quando a causa de relações desarmoniosas não está na vida actual, a Regressão pode ajudar na compreensão e cura das mesmas como em situações de:

• Relações desarmoniosas pessoais ou profissionais;
• Ciúmes;
• Sentimentos de posse nos relacionamentos;
• Entre outras.

Personalidade e Sentimentos
Alguns traços da nossa personalidade têm origem desconhecida e podem ser compreendidos e, consequentemente, melhorados e/ou curados, como:

• Ansiedade persistente e inexplicável;
• Timidez sem sentido;
• Tristeza constante;
• Frequência de pensamentos negativos;
• Sentimentos de solidão e/ou abandono;
• Sentimentos de culpa;
• Dificuldade em mostrar afecto;
• Insegurança permanente;
• Angústia;
• Agressividade;
• Submissão;
• Falta de perspectivas de vida;
• Revolta interior;
• Sentimento de vazio interior;
• Sentimentos de inveja;
• Dificuldade em tomar iniciativas;
• Pouca auto-estima;
• Viver preso ao passado;
• Pensar em suícido sem razões aparentes;
• Sentimentos de saudade muito forte;
• Não conseguir perdoar alguém;
• Dependência de remédios;
• Perfeccionismo;
• Necessidade de se lavar ou de limpar a casa constantemente;
• Dificuldade em falar uma determinada língua que domina na escrita;
• Não gostar de dançar;
• Dificuldade em lidar com o dinheiro;
• Entre muitos outros.

Compreensão dos Medos
O medo impede-nos de agir positivamente em muitas circunstâncias, mas faz parte da natureza humana ter alguns medos. O que define a necessidade de se fazer uma terapia para compreender um determinado medo é a intensidade do mesmo e a forma como influencia negativamente a vida da pessoa.

Os medos mais vulgares:
• Do fogo;
• Do escuro;
• De multidões;
• De um animal em particular;
• De lugares fechados ou altos;
• De nadar no mar;
• De viajar de avião;
• Da morte (própria ou dos que amamos);
• Do parto;
• De violência;
• De envelhecer;
• De sangue;
• De determinado objecto ou palavra;
• Da solidão.

Raiz dos vícios
Os vícios podem ter raízes profundas que com a Regressão com Reiki podem ser compreendidas e abrir portas para um processo de cura, como:

• Fumar;
• Beber;
• Consumir drogas;
• Jogar, roubar ou comprar compulsivamente.

Problemas de sono
A Regressão com Reiki permite entender o porquê das insónias ou de pesadelos recorrentes, de sentir-se fora do seu corpo ou de sentir uma pressão que o prende à cama ou de acordar frequentemente exausto.

Problemas sexuais
Dificuldades no desempenho sexual, ejaculação precoce, frigidez e/ou dificuldade no acto sexual, determinada tendência sexual ou padrões de comportamento sexual são alguns problemas que se podem compreender com a regressão.

Problemas físicos ou doenças
Alguns sintomas físicos actuais e que são inexplicáveis podem ter origem noutra vida. Há também sintomas que advêm de padrões de comportamento na vida actual e cuja origem pode estar noutra vida ou mesmo na actual. Esses sintomas, em geral, não são explicados, nem curáveis através da medicina convencional, como por exemplo:

• Dores localizadas sem causa aparente;
• Alergias;
• Dores de cabeça constantes;
• Quistos no peito ou nos ovários;
• Diversos tipos de cancro;
• Bronquite asmática;
• Sinusite;
• Miopia ou estrabismo;
• Ressonar;
• Problemas de audição;
• Problemas no estomâgo e intestinos;
• Dificuldade em engravidar;
• Incontinência urinária;
• Gaguez;
• Falta de memória;
• Sensação frequente de ter os pés a queimar.

Problemas de peso
Salvaguardando o facto de poder existir uma tendência genética para os problemas de peso, pode-se procurar compreender com a Regressão com Reiki alguns aspectos como a obsessão ou repulsa por comer e ainda a dificuldade em emagrecer ou engordar.

Vocação Profissional
Há aspectos profissionais que podem ser compreendidos através da Regressão, nomeadamente o facto de se encaixar tão bem em determinada profissão, a razão da frustração com a profissão actual ou de problemas de relacionamento profissional.

Qualidades Pessoais
Não é comum, mas a Regressão com Reiki permite desenvolver qualidades pessoais como:

• Compreender a nossa missão nesta vida;
• Aperfeiçoar ou resgatar o gosto pelas artes;
• Desenvolver a compaixão, a simplicidade, a humildade ou o amor incondicional.

Imaginação ou Realidade?  
De um modo geral, a Regressão com Reiki cura qualquer aspecto da nossa personalidade, algum medo, insegurança, hábito ou doença, e desenvolve qualidades pessoais.
Será que os problemas desapareceriam se as pessoas estivessem apenas a fantasiar?
É importante entendermos que a imaginação é uma potencialidade interior. A imaginação é uma energia e a mente movimenta-se através dela. E o corpo segue-a.
Por exemplo, no yoga de calor os lamas tibetanos permanecem na rua sob temperaturas negativas, usando uma técnica particular: imaginar que estão a transpirar. E, na verdade, começam a transpirar! O corpo dos lamas aquece realmente, mas esta realidade é criada através da imaginação.
 
Os Sentidos na Regressão  
 reincarnation
 
Estamos conscientes da dimensão exterior dos nossos sentidos e esquecemo-nos que cada sentido tem uma dupla dimensão.
Por exemplo, os olhos. Só estamos habituados a olhar para o que nos rodeia, mas os olhos também podem ver dentro de nós. Essa é a dimensão interior da visão.
Só na audição temos alguma consciência de que podemos ouvir o exterior e o nosso interior.
Os cinco sentidos têm duas portas, uma que abre para o mundo exterior e outra para o mundo interior. Com o tempo, esquecemo-nos desta realidade.
A dupla dimensão dos sentidos é muito importante na terapia de Regressão.
O cliente tem os olhos fechados mas pode ver imagens de vidas passadas. As suas mãos estão paradas, mas pode sentir que segura uma peça de fruta. Não está a comer nada, mas pode sentir o cheiro e o paladar. Pode inclusive ouvir conversas, sons da natureza ou outros ruídos, que só ele ouve na dimensão interior da sua audição.
É a partir desta dimensão interior que as portas se abrem para o desenvolvimento da Regressão e a experiência do facilitador tem um papel muito importante no incentivo e no desenrolar do processo.
Os cinco sentidos têm um complemento precioso numa Regressão: o sexto sentido, a intuição.
Numa Regressão, o sexto sentido permite-nos simplesmente saber por exemplo, que se está em Roma no ano 38 d.C., que se é uma mulher com 38 anos e se tem três filhos, apesar de não se ter imagens que o demonstrem ou comprovem.
Simplesmente sabe-se!
Numa Regressão, as revelações espontâneas podem ser inesperadas e de extrema utilidade, porque nada acontece por acaso.
Há casos em que as memórias chegam como pensamentos, o que pode levar a pessoa a colocar em causa a informação a que está a aceder, simplesmente porque na maior parte da bibliografia existente sobre Regressão se descreve o processo como um desenrolar de visões quase como um filme há muito esquecido.
Independentemente do modo como a pessoa tem acesso à informação, cabe ao terapeuta ajudá-la a compreender a sua importância e a instrui-la para trabalhar qualquer dado novo, sem julgar.
 


Pilares Básicos  
1º O relaxamento: A pessoa deve estar confortável, relaxada e com o menor número de medos possível, devendo manter a mente aberta, sem tentar controlar o processo.
 
2º Observação: Através da dimensão interior dos sentidos a pessoa deve observar, sem expectativas, nem julgamentos, deixando simplesmente que as imagens, sensações ou outras manifestações aconteçam com naturalidade. 

3º Honestidade: O cliente deve ser completamente honesto sobre o que se está a reviver ou a relembrar, partilhando-o com o terapeuta para que este o possa orientar;
 
4º Não julgamento: A pessoa deve deixar fluir as memórias e não deixar que o julgamento bloqueie o processo de Regressão. O julgamento é a principal razão porque as pessoas não conseguem fazer uma Regressão com sucesso. Nestes casos, as pessoas ou pensam que é tudo uma fantasia, ou não gostam de se ver em determinado papel, ou não se sentem bem a partilhar determinado acontecimento, ou sentem que são boas demais para terem sido tão más no passado.
 
5º Confiança na sabedoria da sua Alma: O medo de sofrer é outro travão à regressão. Se a pessoa começa a reviver um passado doloroso, terá tendência a evitá-lo. É importante entender que, certamente, não é a alegria e a felicidade do passado que estão a causar os problemas na vida actual. Enfrentar o medo é um acto de coragem. A chave está em confiar na sabedoria da sua Alma que lhe vai mostrar exactamente o que precisa de saber para melhorar e evoluir. 

6º A presença constante do Reiki: O Reiki permite processos de relaxamento e cura mais harmoniosos e profundos, mesmo a nível kármico. Uma pessoa honrada e respeitada pode não gostar de se ver numa vida passada como uma prostituta ou um assassino. O Reiki ajuda na compreensão e na integração dessa memória.
É muito importante que se entenda que a regressão é, no fundo, uma recapitulação que deve ser feita com bondade carinhosa e dedicação, como aprendizagem.
 
Reencarnação   
reikiregres 
 
Reencarnar designa a transição da nossa Essência Eterna ou Alma de um Ser para outro Ser, servindo a morte física de conclusão de cada experiência física da alma.
Cada vez mais pessoas acreditam que a vida só faz sentido se houver algo mais que nascer, crescer, estudar, trabalhar, procriar e morrer. Cada vez há mais pessoas a entenderem que não somos um corpo com uma Alma, mas sim uma Alma que tem um corpo que lhe serve de veículo de aprendizagem na Terceira Dimensão.
A reencarnação faz parte do processo de evolução da Consciência. Vida após vida, reencarnamos vivendo diferentes experiências de forma a desenvolvermos a nossa Consciência. A reencarnação permite-nos agir, trocar energias, criar.
 
A REENCARNAÇÃO NA HISTÓRIA
No papiro egípcio Anana que remonta a 1320 a.C. está escrito que: “O Ser humano retoma à vida várias vezes sem se recordar das existências anteriores, excepto em sonhos. No final, todas as vidas ser-lhe-ão reveladas”.
Tanto no Judaísmo como no Cristianismo, as raízes na reencarnação são muito profundas. Compreende-se hoje que a repressão dos ensinamentos de vidas passadas foi uma questão política e não espiritual.
No Judaísmo existiu uma crença fundamental na reencarnação ou gilgul durante milhares de anos. Essa crença constituiu uma pedra angular da fé judaica até cerca de 1800-1850, altura em que a urgência de "modernizar" e de ser aceite pelo sistema ocidental mais científico transformou as comunidades judaicas da Europa Oriental. No entanto, até essa altura a crença na reencarnação foi fundamental e constituiu um dos conceitos básicos.
Nas comunidades Ortodoxa e Chasidic a crença na reencarnação ainda hoje se mantém inabalável. A Cabala, literatura mística judaica datando de há muitos milhares de anos está cheia de referências à reencarnação.
Na história da Cristandade verificou-se que as referências primitivas à reencarnação, existentes no Novo Testamento, terão sido eliminadas no século IV pelo imperador Constantino quando o Cristianismo se tornou a religião oficial do Império Romano. Segundo parece, o imperador terá sentido que o conceito de reencarnação ameaçava a estabilidade do império. Os cidadãos que acreditassem que poderiam ter uma outra oportunidade de vida poderiam mostrar-se menos obedientes e cumpridores da lei do que aqueles que acreditavam num único Dia do Juízo para todos.
No século VI, o Segundo Concílio de Constantinopla reforçou a atitude de Constantino, declarando oficialmente que a reencarnação era uma heresia. Como acontecera no caso de Constantino, a Igreja receava que a ideia de vidas anteriores enfraquecesse e minasse o seu poder crescente, concedendo aos fiéis demasiado tempo para procurarem a salvação. Chegaram à conclusão de que o látego do Dia do Juízo era necessário para garantir as atitudes e comportamento adequados.
Na Índia, e em muitos outros locais, a reencarnação constitui ainda um forte dogma. Na Europa assiste-se cada vez mais a um despertar para este tema, esclarecedor de muitas perguntas sem respostas.
Para compreender a reencarnação, basta reflectir um pouco sobre o meio onde nasceu. Os seus pais, amigos, familiares e as ligações kármicas; serão fruto do acaso? Se reflectir sobre os seus tempos de estudante, constatará que houve línguas ou outras disciplinas que aprendeu com maior ou menor facilidade; os sons de determinada língua podem até causar-lhe mau estar; será fruto do acaso? Um determinado sentimento, um pensamento que lhe ocorre à mente sem razão aparente, um cheiro, um lugar ou uma pessoa que lhe faz lembrar não sabe bem o quê ou quem, as crianças que nascem já com determinadas aptidões ou faculdades, será por mera casualidade? .

OBJECTIVO: EVOLUÇÃO
A Alma reencarna quando tem lições a aprender como amor, compaixão, solidariedade, tolerância, paz interior, paciência, etc.
Antes da Alma reencarnar, escolhe o que quer aprender.
Para atingir essa aprendizagem, decide os chamados pontos de destino que são os acontecimentos principais da sua vida futura, define as pessoas principais que vai encontrar (algumas serão almas-companheiras de muitas vidas) e até os locais e circunstâncias em que os pontos de destino vão ocorrer.
A aprendizagem da Alma irá depender do seu Livre Arbítrio enquanto ser terreno (que escolhas vai fazer, como vai reagir às situações que escolheu para viver), mesmo que ele a afaste do seu objectivo de aprendizagem. É aqui que a palavra karma ganha sentido.
No fim dessa vida, a Alma vai perceber o que aprendeu e o que ainda lhe falta aprender. É no período entre vidas, em planos mais elevados de consciência, que se dá um grande crescimento através de uma forte aprendizagem em que revemos a nossa vida, revivemos cada encontro, cada relação. Sentimos não só as nossas emoções, como também as das pessoas que interagiram connosco, as que ajudámos, as que magoámos, amámos ou odiámos, etc. Essas emoções são sentidas muito profundamente e é com elas que aprendemos.
É neste período também que planeamos a nossa próxima vida, com a ajuda de entidades espirituais que, eventualmente, nos ajudam também quando estamos nos nossos corpos físicos.
O conceituado psiquiatra norte-americano Brian Weiss, que trabalha com regressão há muitos anos, escreve que “o conceito da reencarnação explica e clarifica as nossas relações na vida presente. Por vezes há acontecimentos no nosso passado distante que ainda influenciam as nossas relações actuais.
Se conseguirmos compreender a raiz dos problemas em vidas passadas, poderemos sarar a relação no presente. A consciência e a compreensão são forças poderosas de cura.”
A Alma ocupa vários corpos, sobrevivendo às mortes físicas. Usa os corpos e as personalidades das diferentes vidas para a sua Evolução.
Para atingirmos a compreensão da vida e o equilíbrio necessitamos de experiências diversas e de diferentes formas de viver.
Por isso, as nossas vidas podem ser muito diversificadas, mudando a nossa condição de vida para vida: homem ou mulher, rico ou pobre, com violência ou não, solidão ou abundância relacionamentos, diferentes raças e religiões, etc.
Esta diversidade permite-nos ter uma visão mais alongada da vida e um reconhecimento de novas possibilidades, levando-nos à necessidade de adquirir novas formas de estar, de reagir, de viver.
É importante que se entenda que o caminho da Alma é a Evolução e que tudo isso faz parte e ajuda a Evolução.

TEORIAS SOBRE A REENCARNAÇÃO 


planoastralsuicidio
O que mais confunde as pessoas, relativamente à reencarnação, é entender como é que somos cada vez mais a habitar a Terra. Se vamos reencarnando como é que a população mundial continua a aumentar?
Tal confusão deve-se somente à visão limitada que as pessoas em geral têm sobre a vida.
Se só houvesse vida na Terra a própria reencarnação não faria sentido e, tal como dizia Carl Sagan, seria um tremendo desperdício de espaço não haver vida noutros planetas.
Sobre esta questão, Brian Weiss diz “As almas existem em muitas dimensões. São atraídas para este planeta num número cada vez maior porque a Terra é uma escola bastante conhecida. Há muito para se aprender aqui.”
Mas porque é que reencarnamos? Há muitas teorias como resposta.
Qualquer que seja a teoria em que se acredite, o importante é aceitar que existem muitas realidades possíveis e a grande ilusão está em pensar que apenas uma é a correcta.
Para entendermos além do vulgarmente “visível e palpável” temos que expandir a compreensão para maiores possibilidades e conceitos mais vastos.
 
O Reiki permite processos de relaxamento e de cura mais harmoniosos e profundos, mesmo a nível kármico, nomeadamente:
• No relaxamento - Dá um sentimento de segurança e protecção à pessoa;
• A reviver ou relembrar momentos dolorosos – Algumas memórias podem causar desconforto emocional ou físico, sendo necessário direccionar o Reiki para um maior equilíbrio e consequente fluir das memórias;
• Reequilíbrio com a vida actual – Algumas pessoas sentem-se tão bem a reviver determinadas memórias que a aplicação do Reiki nos pés é fundamental para a reequilibrar com a Energia da Terra e com a sua vida actual;
• Após a terapia de regressão - Quando achar necessário, o facilitador pode combinar um ciclo de envio de Reiki à distância para que a integração da energia resultante da terapia se dê da melhor forma e para que a cura seja mais rápida, sempre, para o bem supremo da pessoa.
 
Karma  
Karma é uma palavra do sânscrito que significa, literalmente: acção. É designado geralmente como a Lei da Causa e Efeito.
Por exemplo, se lançarmos uma pedra (acção ou causa) num lago provocamos uma série de ondas concêntricas (efeito).N
Nesta perspectiva e segundo as leis do karma, tudo o que acontece nas nossas vidas é o efeito de uma ou mais causas que podem ter origem tanto na vida actual, como em vidas passadas.Todas estas causas estão inscritas nos registos akáshicos da alma, por isso tudo o que fazemos ou deixamos de fazer nesta ou noutras vidas gera efeitos tanto na vida presente como em vidas futuras.
Numa Regressão podemos reconhecer as causas dos efeitos na nossa vida actual e, consequentemente, permitimos a cura dos efeitos.
Para muitas pessoas o karma é algo negativo. Na realidade, não há um mau karma. O karma é a nossa oportunidade para usar uma experiência que nos ajudará a crescer e a compreender, a evoluir. Ou seja, o karma não existe como um prémio ou uma punição, mas como uma forma de purificar a alma.
As nossas acções geram sempre energia (positiva ou negativa) e o karma é a oportunidade que o Universo nos dá para equilibrarmos o que originámos.
O karma faz com que nos deparemos com situações através das quais essa energia pode ser equilibrada. Transmutar o Karma é equilibrar a sua força e transformá-la em energia pura e equilibrada, com sentimentos de amor e compreensão.
Também há situações que vivemos que não são derivadas de karma, mas as nossas reacções às mesmas podem ser criadoras de karma.
Ao atrairmos situações que nos colocam em contacto com o nosso Karma, podemos compreender o nosso pensamento e actuação, libertando parte dessa energia que criámos. E quando corrigimos os nossos actos e pensamentos estamos a equilibrar a energia podendo até anular o karma.
O karma pode provir de atitudes, sentimentos, acções ou do que não fazemos.
Com alguma frequência encontramos pessoas que na vida actual se recusam a agir e a aprender. Esta situação é também criadora de Karma. Esta recusa pode ter origem noutras vidas por, por exemplo, terem tido capacidades que eram demasiado avançadas para a época e terem sido penalizadas por isso.
Quando recusamos/ignoramos a nossa responsabilidade, a situação kármica ganha força e o seu impacto será cada vez maior até ao ponto em que não podemos mais recusar ou ignorar a nossa responsabilidade.
E quando a alma estiver purificada (o positivo e o negativo anulam-se), conclui o ciclo kármico (vidas que vivemos para libertar o karma negativo de vidas anteriores) e está preparada para outros níveis de existência.

Os Registos Akáshicos 

reikigistrosakashicos 
Akásha é um termo sânscrito que designa a substância primordial sobre a qual se registam os acontecimentos das nossas múltiplas existências, da evolução do nosso verdadeiro Ser. A informação guardada na akásha inclui as nossas acções, desejos, esperanças, sonhos, o que foram as nossas vidas passadas e o que deveriam ter sido, futuros prováveis e os seus objectivos.
É importante compreender que os akásha são essencialmente memórias de sensações (gustativas, auditivas, tácteis, visuais ou olfactivas) acompanhadas - ou não - de imagens. Daí a importância de não se menosprezar nada do que surge durante uma Regressão, mesmo quando são só pensamentos.
No nosso processo evolutivo imprimimos mais ou menos profundamente situações ou atitudes no Akásha, dependendo da energia que colocamos nelas. Ou seja, a força dos acontecimentos vai afectar não só o futuro na vida actual como o de vidas futuras.

Essa força só é libertada quando tomamos consciência dela, a compreendemos e equilibramos.
Os registos são mutáveis porque são afectadas continuamente por tudo o que fazemos, sentimos e aprendemos. Assim, quando acedemos a uma vida passada e a compreendemos, bem como às suas lições, podemos mudar os registos akáshicos (incluindo os do futuro).
Isso pode mudar muita coisa, porque ao compreendermos uma das nossas vidas podemos alterar as nossas emoções, pensamentos, atitudes e intenções sobre o presente e passado. Isso muda a nossa vibração, que afecta também a vibração de quem nos rodeia e de quem as rodeia a elas.
 
ACEDER AOS REGISTOS AKÁSHICOS
O acesso aos nossos registos akáshicos (individuais ou colectivos) podem acontecer durante o sono, em sonhos ou quando realizamos uma tarefa diária, mecânica em a nossa mente relaxa e surge-nos uma determinada imagem ou memória.
Os registos akáshicos também se podem manifestar através de uma pessoa, local, imagem, sensação, ruído ou melodia, etc., que nos desperte a sensação de dejá vu.
Se não estivermos sensibilizados para este facto podemos facilmente deixar escapar a resolução de um problema actual.
A regressão (espontânea ou não) é uma outra forma de aceder aos registos akáshicos.
 
 
Progressão

 
reikieticanaregressao  
 
Os registos akáshicos contêm informação tanto do passado, como do futuro. Aceder ao futuro é precisamente como aceder ao passado, uma vez que, os conceitos de tempo e espaço são terrenos e necessários à experiência terrena, mas não, elementos essenciais à nossa existência primordial.
Assim, quem necessita do conceito tempo como o conhecemos (passado - presente - futuro) é a mente consciente, mas, a partir do momento em que predomina a mente subconsciente, o conceito tempo deixa de ter a relevância que normalmente lhe atribuímos.
Uma pessoa designada por vidente, é na realidade, uma pessoa que consegue aceder aos registos do futuro. Também podemos aceder a estes registos através dos sonhos (somos todos potenciais videntes!).
É muito importante sublinhar que o futuro de uma pessoa não está decidido, o seu futuro será o reflexo dos seus actos passados e presentes. Assim, se se tem uma visão sobre o futuro, isso quer somente dizer que com o actual curso de acontecimentos, o futuro será assim.
Caso você mude as suas atitudes, acções e pensamentos, o seu futuro poderá ser outro.
Existe uma multiplicidade de futuros possíveis.
O nosso futuro depende das nossas escolhas e acções no presente.
O futuro colectivo e o nosso futuro individual a longo prazo, bem com do próprio Planeta dependem das escolhas e acções de todos no Passado, Presente e Futuro próximo. É aqui que reside o principio de sermos Co-Criadores.
A progressão deve ser utilizada de forma muito prudente, cuidadosa e moderada.
É importante que a pessoa perceba que o que quer que apareça são futuros prováveis e que qualquer atitude, pensamento e acção pode mudar o que vê.
Após uma regressão a uma vida passada em que a pessoa extrai uma lição, pode-se conduzir a progressão (com contagem progressiva) para ver como é viver com essa compreensão.
Pode-se também conduzir uma progressão para que a pessoa veja os vários futuros prováveis, dependendo das decisões que tomar em relação a algo que a preocupa. Aqui é muito importante, frisar a probabilidade. A ideia nesta situação é ajudar a pessoa a tomar decisões mais sensatas, não condicioná-las, programá-las. O futuro é um destino flexível que pode ser alterado a cada segundo. Quando vemos um futuro, não somos obrigados a entrar nele. Podemos mudar todo o percurso da nossa Existência com as nossas decisões.
Há pessoas que acedem a situações difíceis e que ficam condicionadas por um futuro provável e cabe ao facilitador avaliar se é aconselhável fazer uma progressão. Caso tenha qualquer dúvida, o facilitador não deverá fazer a progressão.

Almas Gêmeas   
109174555

 
 
Muito se fala em almas gémeas, como se só houvesse uma alma gémea para cada um de nós, mas como vimos pela Teoria Monádica, existem mais.
Reconhecer uma alma gémea pode ser imediato, com um sentimento súbito de familiaridade com alguém que se acaba de ver, de a conhecer profundamente muito para lá do que a nossa consciência poderia conhecer, por vezes, mais até do que aos nossos familiares. Confiar nela tão rapidamente que a nossa razão até pode julgar ser imprudente.
Também pode ser um processo lento e subtil. Nem todos estão preparados para o reconhecimento imediato. E se um reconhece de imediato e o outro não, pode ser necessária muita paciência por parte do primeiro.
Este reconhecimento pode se dar com um olhar, com um sonho, uma memória ou somente um sentimento.
As almas gémeas não são somente possíveis pares românticos. Podem ser o pai, a mãe, um filho, um irmão ou um verdadeiro amigo.
Nem sempre casamos com uma alma gémea, mas com uma alma companheira à qual estamos menos ligados, mas que tem algo para nos ensinar ou para aprender connosco.
Por vezes, as almas gémeas surgem na nossa vida, não para casar ou para uma relação amorosa, mas para cumprir uma tarefa acordada, para aprenderem algo, após o que seguem a sua vida.
 
A Cura  freud  
 
Sigmund Freud (1856-1939), médico neurologista e fundador da Psicanálise, descobriu que a cura emocional se dá quando o trauma ou as causas de um problema ou de uma doença são trazidas à consciência e libertadas através duma catarse. Segundo Freud, quando se dá a catarse (a lembrança, seguida de libertação emocional), a cura dá-se mais rapidamente porque o paciente compreende que se trata de algo do passado.
O processo de cura pode também dar-se quando a pessoa observa os eventos que a levam a uma compreensão da origem do seu problema. Assim, o processo de cura desencadeia-se quando a pessoa compreende a(s) causa(s) do seu problema. Quando compreende que determinado problema tem um (ou mais) motivo(s), tem uma (ou mais) explicação(ões), que muitas vezes nem sequer se prende(m) com a vida actual, os bloqueios energéticos que sustentam esse problema, são libertados havendo como consequência, reflexos a todos os níveis do seu Ser. Pessoalmente, acredito também que, com intensidade diferente, a cura atinge outros Seres que tenham estado envolvidos na origem dos bloqueios, bem como os Seres que tenham sido afectados pelos mesmos na vida actual e as outras Extensões da sua Mónada.
A compreensão da origem de um problema pode levar, também, ao entendimento interior das soluções mais adequadas à resolução do mesmo (como uma reacção diferente daquela que se teve noutra vida, a um entendimento global do evento e das intenções dos indivíduos, etc.). A Regressão e Progressão com Reiki pode curar (até instantaneamente) problemas ou iniciar o processo de cura, mostrando padrões destrutivos e repetitivos, levando-nos à consciência de que já não desejamos ou não necessitamos deles na vida actual.
Podem ocorrer igualmente também experiências de vidas felizes para curar um padrão negativo da vida actual. Na minha experiência, tenho constatado que nem sempre é necessário passar pela dor do acontecimento original, nem pela libertação emocional para que a cura aconteça. Aliás, para algumas pessoas, o reviver/relembrar demasiado intenso pode ser impeditivo da continuação do processo bloqueando, assim, as memórias. Assim, confio totalmente na Sabedoria da Alma da pessoa e dos seus Aliados Espirituais que a guiam da melhor forma às experiências e com o grau de percepção que melhor a ajudarão a atingir a sua cura.
A aprendizagem sobre a consequência das nossas acções não é necessariamente imediata, podendo ser necessárias várias sessões ou outros métodos terapêuticos em simultâneo, uma integração gradual dos ensinamentos e, em especial, abertura e vontade para transformar a sua vida. Também é necessário perceber que, por vezes, a evolução da alma da pessoa depende de determinada experiência e, ainda que haja uma vontade consciente de se curar, a cura não ocorre (aparentemente).
A Regressão e Progressão também pode originar a abertura a algumas faculdades e aptidões que tivemos noutras vidas ou que poderemos ter em vidas futuras e que, muitas vezes, nesta vida repudiamos. Por exemplo, alguém que numa vida tenha usado mal uma capacidade ou que sofreu por a ter, pode recusá-la nesta vida. Sentir a essência da alma que passa por várias vidas ajuda-nos a reconhecer essa essência na vida actual. Torna-se claro que cada vida é uma oportunidade de crescimento e de evolução.
Além disso, ao termos consciência de que a morte é somente física e que, frequentemente, voltamos a encontrar aqueles que escolhemos como companheiros de Viagem, leva-nos a perder alguns medos e a compreender factos actuais.
O acesso a vidas passadas, mesmo que tenham sido difíceis, sofridas, violentas, mostra-nos que a Alma nunca morre. Dá-nos a dupla consciência da vida actual e da vida passada. Adquire-se um conceito muito mais lato da vida e das suas possibilidades, proporcionando paz através de uma compreensão mais vasta.

HIPNOSE   



A palavra hipnose deriva do grego “hipnos” que significa “sono” e da palavra latina “osis” que significa “Acção”ou “Processo”.
O sono ou hipnos acontece quando a mente reduz a sua actividade, mas a pessoa não deixa de estar consciente. O processo é bastante fácil de perceber por quem pratica meditação.
Joshua David Stone escreveu: “A maior parte do meu trabalho não consiste em hipnotizar pessoas, mas em acordá-las. Muita gente já anda por aí numa espécie de estado hipnótico.”
Actualmente, o termo hipnose é muitas vezes mal interpretado devido ao espectáculo a que alguns programas de televisão frequentemente o têm associado.
O estado hipnótico é um fenómeno diário, sempre que o trânsito da mente consciente abranda, dando espaço à mente subconsciente. Por exemplo, quando se faz algo mecanicamente como repetir um percurso de automóvel todos os dias, por vezes chegamos a casa sem nos lembrarmos de ter passado pelos sítios, ou quando nos concentramos num livro, ou algo na televisão nos absorve, esquecemo-nos do que nos rodeia e tornamo-nos uma personagem do enredo.
O tema hipnose é comummente usado para veicular ideia de “um estado mental onde um individuo se submete a sugestões, permitindo-se ser orientado através das mesmas”. Assim, hipnose é um estado aumentado de sugestão, acompanhado pela focalização numa ideia, pensamento ou pessoa. É um meio de activar o subconsciente para uma função específica.
É importante esclarecer que o "estado aumentado de sugestão" com que se trabalha na Regressão e Progressão significa que a pessoa está consciente e apenas aceita as sugestões do facilitador se quiser. Como facilitadora tenho sempre presente um elevado código ético e moral relativamente à pessoa que se submete a uma sessão de Regressão e Progressão.
Numa sessão de Regressão e Progressão conduz-se a pessoa a um estado hipnótico muito suave (ALFA) para reduzir a actividade da mente consciente e permitir-lhe aceder facilmente à mente subconsciente. Assim, passa a haver um predomínio da mente subconsciente.
A pessoa não fica a dormir, pois, embora tenha a actividade da mente consciente limitada, sabe perfeitamente o que está a dizer, mantendo-se sempre alerta e pronta para parar o processo se assim o desejar. Assim, numa sessão a pessoa permite-se relaxar e ser orientada numa determinada direcção previamente combinada. Após estar no espaço-tempo pretendido é a própria pessoa que o explora e às memórias a ele associadas.
NIVEIS DE ACTIVIDADE DA MENTE
Para entender melhor a hipnose importa compreender os diferentes níveis de actividade da mente.
A mente humana possui quatro níveis de actividade.
Ao acordar saímos da hipnose natural (ALFA) para a consciência plena (BETA).
Ao adormecer passamos do estado BETA (desperto) para o ALFA (ensonado) e daí para o sono (TETA) e, mais tarde, para um sono profundo (DELTA).
Numa Regressão a pessoa estará apenas num estado de relaxamento entre o dormir e o acordar e com total capacidade de decisão.

http://www.milcaminhos.com/index.php?option=com_content&task=view&id=67&Itemid=83

Reiki e Saúde 

REIKI É AMOR E NESTE TEMPO DE CRISE PLANETÁRIA, A HUMANIDADE PRECISA DE TODO AMOR QUE POSSA OBTER PARA EQUILIBRAR AS ENERGIAS VITAIS



Leiam abaixo esta matéria da Revista Galileu: Dr. Ricardo Monezi é pesquisador da UNIFESP e esteve conosco (GENPAFI), no I Encontro de Psicossomática da UNICID, em 13 DE AGOSTO DE 2005.

Reiki e Acupuntura agora têm explicação científica
Pesquisadores avaliam efeitos e mecanismo de terapias alternativas em animais de laboratório
por Bruna Bernacchio
Matheus Lopes Castro

Ricardo Monezi testou o Reiki em ratos com câncer (Ilustração: Matheus Lopes)

 Pesquisas recentes comprovam efeitos benéficos e até encontram explicações científicas para acupuntura e reiki. Estudos sobre o assunto, antes restritos às universidades orientais, ganharam espaço entre pesquisadores americanos, europeus e até brasileiros. Recentemente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) criou uma denominação especial para esses métodos: são as terapias integrativas.
Um artigo exmecanismo da acupuntura contra a dor foi publicado por pesquisadores da Universidade de Rochester na revista Nature Neuroscience em 30 de maio. Criada há quatro mil anos, a prática consiste na aplicação de agulhas em pontos do corpo. Pela explicação tradicional, ela ativa determinadas correntes energéticas para equilibrar a energia do organismo.
 
Reprodução/ Shutterstock
 ShutterstockCientificamente, as agulhas teriam efeitos no sistema nervoso central (cérebro e espinha dorsal). As células cerebrais são ativadas e liberam endorfina, um neurotransmissor responsável pela sensação de relaxamento e bem-estar. O estudo dos nova-iorquinos descobriu uma novidade: a terapia, que atinge tecidos mais profundos da pele, teria efeitos no sistema nervoso periférico. As agulhas estimulam também a liberação de outro neurotransmissor, a adenosina, com poder antiinflamatório e analgésico.

No experimento com camundongos com dores nas patas, cientistas aplicavam as agulhas no joelho do animal. Eles constataram que o nível de adenosina na pele da região era 24 vezes maior do que o normal e que houve uma redução do desconforto em dois terços.

A equipe tentou potencializar a eficácia da terapia, colocou um medicamento usado para tratar câncer nas agulhas. A droga aprimorou o tratamento: o nível de adenosina  e a duração dos efeitos no organismo dos aniamis praticamente tripliquase triplicou e o tempo de duração dos efeitos no organismo dos ratos também triplicou. Mas este método não poderia ser feito em humanos porque o medicamento ainda não é usado clinicamente. “O próximo passo é testar a droga em pessoas, para aperfeiçoá-la ou para encontrar outras drogas com o mesmo efeito”, diz Maiken Nedergaard, coordenadora do estudo.
>> Pesquisa mostra que o riso é peça-chave para a vida em sociedade
>> Felicidade: construa a sua
Reiki
Seus praticantes acreditam nos efeitos benéficos da energia das mãos do terapeuta colocadas sobre o corpo do paciente contra doenças. Para entender as alterações biológicas do reiki, o psicobiólogo Ricardo Monezi testou o tratamento em camundongos com câncer. “O animal não tem elaboração psicológica, fé, crenças e a empatia pelo tratador. A partir da experimentação com eles, procuramos isolar o efeito placebo”, diz. Para a sua pesquisa na USP, Monezi escolheu o reiki entre todas as práticas de imposição de mãos por tratar-se da única sem conotação religiosa.
No experimento, a equipe de pesquisadores dividiu 60 camundongos com tumores em três grupos. O grupo controle não recebeu nenhum tipo de tratamento; o grupo “controle-luva” recebeu imposição com um par de luvas preso a cabos de madeira; e o grupo “impostação” teve o tratamento tradicional sempre pelas mãos da mesma pessoa.
 
Ricardo Monezi

Imposição de mãos nos grupos "Controle-Luva" e "Impostação", respectivamente (imagens retiradas do mestrado de Monezi)
Depois de sacrificados, os animais foram avaliados quanto a sua resposta imunológica, ou seja, a capacidade do organismo de destruir tumores. Os resultados mostraram que, nos animais do grupo “impostação”, os glóbulos brancos e células imunológicas tinham dobrado sua capacidade de reconhecer e destruir as células cancerígenas.
“Não sabemos ainda distinguir se a energia que o reiki trabalha é magnética, elétrica ou eletromagnética. Os artigos descrevem- na como ‘energia sutil’, de natureza não esclarecida pela física atual”, diz Monezi. Segundo ele, essa energia produz ondas físicas, que liberam alguns hormônios capazes de ativar as células de defesa do corpo. A conclusão do estudo foi que, como não houveram diferenças significativas nos os grupos que não receberam o reiki, as alterações fisiológicas do grupo que passou pelo tratamento não são decorrentes de efeito placebo.

A equipe de Monezi começou agora a analisar os efeitos do reiki em seres humanos. O estudo ainda não está completo, mas o psicobiólogo adianta que o primeiro grupo de 16 pessoas, apresenta resultados positivos. “Os resultados sugerem uma melhoria, por exemplo, na qualidade de vida e diminuição de sintomas de ansiedade e depressão”. O trabalho faz parte de sua tese de doutorado pela Universidade Federal do Estado de São Paulo (Unifesp).

E esses não são os únicos trabalhos desenvolvidos com as terapias complementares no Brasil. A psicobióloga Elisa Harumi, avalia o efeito do reiki em pacientes que passaram por quimioterapia; a doutora em acupuntura Flávia Freire constatou melhora de até 60% em pacientes com apnéia do sono tratados com as agulhas, ambas pela Unifesp. A quantidade pesquisas recentes sobre o assunto mostra que a ciência está cada vez mais interessada no mecanismo e efeitos das terapias alternativas.

http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI152042-17770,00-ACUPUNTURA+E+REIKI+AGORA+TEM+EXPLICACAO+CIENTIFICA.html


REIKI – A Cura  Pelo toque das Mãos



Reiki - Energia Cósmica Universal

 Reiki Máster e Terapeuta Holística Airam
REI é a Sabedoria Universal. É a inteligência que sustenta a Energia Vital, a Origem, Deus, Deusa, o Criador, a Presença EU SOU, Tao, ...

 KI é a energia ativadora essencial à vida. Ki é a energia da aura.

 REIKI É A ENERGIA VITAL (KI), GUIADA PELA INTELIGÊNCIA UNIVERSAL (REI).

 Reiki não é religião. É terapia de cura e pode complementar técnicas médicas, psicológicas ou terapias.  Elimina medos, angústias, depressões, stress, problemas emocionais  e as doenças do corpo físico, etérico, mental e emocional.

 Reiki ativa  o funcionamento das células, glândulas e órgãos, desintoxica o organismo, alivia  dores e sintomas desde as primeiras aplicações. Alguns males crônicos exigem mais tempo de tratamento.

 Reiki traz a harmonia, equilíbrio, proporciona melhor qualidade de vida, com mais alegria bem estar e entusiasmo
 

A HISTÓRIA DO REIKI

 Foi o Deus Hindu, Shiva, que trouxe o Reiki para a humanidade. Quando o  corpo humano foi criado, teve Reiki incorporado ao código genético. Portanto, o Reiki é uma parte de cada um de nós.

 Na metade do século XIX. Mikao Usui (15.08.1865), diretor da Universidade Doshisha, em Kyoto, Japão, e pastor cristão, iniciou a busca do método de cura utilizado por Jesus. Levou dez anos para encontrar e aprender a técnica.

                                       
                   Mikao Usui                                                                                                                                                      Shiva 
Usui buscou a informação no Budismo. Há semelhanças entre a vida de Buda na Índia (Sidarta Gautama, 620-543 ªC.) e a vida de Jesus.

 Reiki era conhecido na Índia e foi descrito nos sutras budistas (escrituras sagradas).                        O Reiki chegou até Jesus no Egito, que o ensinou aos seus discípulos, conforme afirma o Novo Testamento. O método de cura de Jesus se perdeu para o Ocidente. A cura permaneceu apenas entre os  budistas.

 Mikao Usui encontrou os textos que revelaram a fórmula de cura no original em sânscrito.

Entretanto, não informavam como ativar a energia. Usui, estudou a fórmula, mas tinha de passar pelo teste.

 O teste foi um período de 21 dias de meditação, jejum e oração no monte Koriyama. Na última manhã, antes de clarear o dia, Usui viu uma luz em sua direção. 

 A luz atingiu seu terceiro olho e ele perdeu a consciência. Então, viu muitas bolhas de Arco-Íris e, finalmente, os símbolos do Reiki como numa tela.

 Foi-lhe dada a informação sobre cada um deles para ativar a energia de cura. Essa foi a primeira iniciação Reiki por meio de vidência.

 OS QUATRO MILAGRES DE REIKI

 Mikao Usui deixou o monte Koriyama sabendo curar como Buda e Jesus. Ao descer  aconteceu o primeiro milagre: ele feriu um dedo do pé, e  instintivamente, sentou-se e pôs as mãos sobre ele. Suas mãos ficaram quentes e o dedo foi curado.

Segundo: chegou a uma casa que servia peregrinos. Pediu uma refeição completa, algo nada recomendável depois de jejuar durante 21 dias apenas com água, mas comeu normalmente.

Terceiro: a mulher que o serviu sentia dor de dente e, colocando as mãos sobre sua face  ele a curou.

Quarto: quando voltou ao mosteiro, soube que o diretor estava acamado com um ataque de artrite, e o curou.

MIKAO USUI, deu à ENERGIA DE CURA o nome de REIKI, e a levou pelo Japão, andando a pé, carregando uma tocha e dando aulas.

  SUCESSORES DE MIKAO USUI

 Chujiro Hayashi, com 47 anos, oficial aposentado da marinha, foi o primeiro iniciado por Mikao Usui que  fezo seu  treinamento de Mestre em Reiki em 1925. Tornou-se o sucessor de Mikao Usui, que morreu em 1930, após formar dezesseis ou dezoito Mestres.

  Chujiro  Hayashi treinou equipes de praticantes do Reiki, homens e mulheres, num total de dezesseis mestres. Abriu clínica de cura em Tóquio, onde aplicava Reiki junto com uma dieta de alimentos naturais.

 Também eram tratados casos graves, como câncer. Dr. Hayashi sistematizou a aplicação de Reiki e registrou os resultados dos tratamentos de diversas doenças.

 Antes da entrada do Japão na segunda guerra mundial, Hayashi passou o cargo de grã-mestre à Sra. Hawayo Takata, que  foi curada de câncer na clínica, através do Reiki.

 A Sra. Takata iniciada, conduzida e supervisionada por Dr. Hayashi,  começou a tratar doentes. Recebeu os ensinamentos mais profundos do Reiki. Tratou muitas pessoas e foi nomeada sucessora do Dr. Hayashi no cargo do grã-mestre.

 Ela ensinou mais de 20 mestres e, antes da sua morte, passou a tarefa de conduzir o movimento Reiki à Dra. Bárbara Webber-Ray.

  Mais tarde, a neta da Sra. Takata, a Sra. Phillis lei Furumoto, foi iniciada pela avó através de um médium, passando a ser grã-mestre. As Sras. Webber-Ray e Furumoto trabalharam juntas durante um ano.

 A Sra. Webber-Ray fundou a organização American International Reiki Association (AIRA) e a Sra. Furumoto a Reiki Alliance.

REIKI É AMOR E NESTE TEMPO DE CRISE PLANETÁRIA, A HUMANIDADE PRECISA DE TODO AMOR QUE POSSA OBTER PARA EQUILIBRAR AS ENERGIAS VITAIS"

http://www.esppacoalpha.com.br/curareiki.htm

 
Reiki é sucesso absoluto em hospital de Brasília


 

A Mestra Maria Tereza Cunha, de Brasília, é uma das líderes do Serviço Auxiliar de Voluntários (SAV), o qual desenvolve um projeto de atendimento no principal hospital do Distrito Federal, o Hospital de Base.
O atendimento com Reiki se expandiu pelo hospital, e hoje é uma realidade na neurocirurgia, no ambulatório da dor e cuidados paliativos, na cardiologia, no núcleo de fisioterapia, na pediatria, na cirurgia pediátrica, e na cirurgia geral, amplamento aceito e acolhido por funcionários, pacientes, acompanhantes, e especialmente pela diretoria, que conta com autorização da Secretaria de Saúde.
Além do atendimento com Reiki, o SAV organiza festas para os pacientes, celebrando datas como o Dia das Mães, dá assistência a pacientes financeiramente carentes e a sua famílias, e conta com 120 voluntários reikianos. Estamos treinando novos terapeutas, afirma a Mestra Maria Tereza, de forma que este serviço possa se expandir mais e mais por todo o hospital.
O Hospital de Base de Brasília é um dos mais elogiados da América Latina.
E-mail: contato@savbrasilia.com, telefone 61-3325 4601 begin_of_the_skype_highlighting              61-3325 4601      end_of_the_skype_highlighting.
 
 
Fortaleza, Ceará. As práticas integrativas e complementares em saúde pública no Hospital Distrital Gonzaga Mota - José Walter. Uma realidade no Sus
Francisco Osório Costa Júnior
A publicação da Portaria nº 971 de 03 de maio de 2006 que define a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS, configura-se marco decisivo do processo de institucionalização destas abordagens no SUS, passando a ser a referência para a estruturação das PIC no sistema de saúde brasileiro. Com base nesta portaria, o Hospital Distrital Gonzaga Mota do José Walter se antecipou aos demais hospitais da Prefeitura de Fortaleza e criou um setor de práticas integrativas e complementares. O setor funciona há quase um ano no ambulatório de fisioterapia em caráter provisório na gestão do Diretor Geral Dr. Helly Pinheiro Ellery que se comprometeu, em breve, inaugurar um setor definitivo de Práticas Integrativas e Complementares para atender a todos os usuários do SUS.  Dentro das práticas integrativas e complementares desenvolvidas no hospital destacam-se: Reiki, Shiatsu, Reflexologia, Massoterapia, e Magnified Healing.  O ambulatório funciona de segunda a sexta-feira a partir das 17 horas no Setor de Fisioterapia e Terapias Complementares, sempre com horário marcado.   São três profissionais formados pelo Espaço Ekobé em parceria com a Aneps, Cirandas da Vida, UECE e Associação dos Mestres de Reiki do Distrito Federal.
O público alvo é composto de usuários e profissionais do próprio hospital que procuram o setor.   As principais queixas são: dores de coluna, tensão muscular, estresse, depressão, insônia, fobias, transtornos psiquiátricos, ansiedade, angustias etc.  Quando o paciente chega ao setor, passa por uma anamnese onde são preenchidos os dados em ficha padronizada. A partir daí, o terapeuta escolhe a técnica apropriada para o paciente e a quantidade de sessões por semana.   Muitos pacientes retornam por acharem melhoras no seu quadro clínico e por se sentirem acolhidos pelos terapeutas que os vêem como um todo.  Mesmo assim, nós, terapeutas holísticos, sentimos certa dificuldade por parte de outros profissionais que, por não conhecerem as terapias complementares, não enviam pacientes para o setor. Espero que em breve essa barreira sobre as terapias complementares caia e prevaleça o bom censo.  
 
 
Fortaleza, Ceará. O Espaço Ekobé encurta a distância entre a ciência e a sociedade
Dra. Vera Dantas

O Espaço Ekobé, que em tupi guarani significa vida, foi estruturado durante a 57ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada em julho de 2005, em parceria com a UECE e a Secretaria Municipal de Saúde, onde estudantes, pesquisadores, cientistas, professores, enfim, a comunidade acadêmica pôde conviver com movimentos e práticas de Educação Popular e Saúde, buscando novas perspectivas que possibilitassem a superação da distância entre Ciência e Sociedade.
O Espaço Ekobé mantém desde 2006, no campus da UECE, um calendário de práticas como massoterapia, reiki, reflexologia, rezas, entre outras, disponibilizadas a estudantes, trabalhadores e pessoas das comunidades.
Um desses percursos, onde particularmente estivemos envolvidas, diz respeito à formação de cuidadores com a terapia reiki. Originária do Japão, inclui- se nas chamadas terapias energéticas (BARROS & TESSER, 2008), cuja base conceitual vincula-se, segundo Luz (2005), ao “paradigma vitalista”, onde noções como energia, sopro, corpo energético, desequilíbrios individuais, forças naturais e ’sobrenaturais’ têm papel importante, integrando natureza e homem numa perspectiva de macro e microuniverso, de forma a considerar a doença como ruptura de um equilíbrio interno (no microuniverso) e relacional.
Este paradigma configura o que Luz (2005) denomina sistemas complexos, como a medicina tradicional chinesa e a medicina ayurvédica, onde a percepção gerada pela experiência com o sofrimento impulsiona à necessidade de alguns outros conceitos para compreensão do processo saúde-doença, como a intuição, a energia vital, o holismo, entre outros, impondo-se a necessidade de repensar a prática dentro de um “novo” espaço ético. Ao mesmo tempo, os procedimentos utilizados em práticas como a do reiki contribuem para a harmonização e estímulo do potencial de reequilíbrio do ser, tendo como categoria central a saúde e não a doença, o que possibilita maior interação e compreensão das situações de crise vivenciadas pelas pessoas e apoio para as mudanças e aprendizados advindos dessa experiência do adoecimento, contribuindo assim para a “desmedicalização” e promoção da saúde.  A terapia reiki baseia-se na harmonização de canais energéticos denominados chakras, por onde circula a energia vital que nutre órgãos e sistemas situados ao longo da coluna vertebral, mediante a imposição das mãos.
O processo formativo constituiu-se de momentos de discussão teórico-conceitual sobre o tema e a iniciação.   São quatro os momentos da formação em reiki: o despertar - iniciação, a transformação, o mestre de si e, finalmente, a formação de mestre-professor, cuja dimensão ética é o aspecto central da discussão, feita com apoio em princípios como gratidão, confiança, honestidade, amorosidade e serenidade no tempo presente. Cada um dos seminários foi seguido por um período de aproximadamente três meses em que os reikianos realizaram aplicações semanais no Espaço Ekobé.
Esse percurso favoreceu a criação de vínculos entre o grupo de mestres reikianos formados, que está constituído por médicos da rede municipal, estudantes universitários da UECE e militantes de movimentos como a Rede dos Terreiros (SER I), movimentos de mulheres (SER VI), pastorais sociais (SER IV), movimentos de saúde mental (SER V), rede de terapeutas holísticos (várias regionais), movimentos de grupos espíritas e práticas de cuidado (SER VI) que há mais de um ano atua de forma permanente no Espaço Ekobé, contabilizando mais de quinhentos atendimentos no espaço propriamente dito e em eventos para onde o espaço se desloca com suas práticas. (DANTAS, 2008).
Na perspectiva de formar uma rede de terapeutas reiki no contexto da Secretaria Municipal de Saúde e das comunidades por onde giram as Cirandas da Vida, esse grupo de mestres reiki iniciou, em 2009, 150 pessoas nessa abordagem terapêutica. Isso implicou a inclusão do reiki em trinta unidades básicas de saúde, três CAPS e três hospitais municipais.
A caminhada das terapias complementares despertou o interesse da Associação dos Mestres e Terapeutas Reiki do Distrito Federal, que congrega mestres e terapeutas reiki de todo o Brasil, e, enquanto entidade legitimada para credenciamento dessa modalidade terapêutica, a qual é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde e considerada como atividade profissional pela Justiça do Trabalho desde janeiro de 2007.
Desse processo vivido no espaço Ekobé, surgiram outros espaços e instrumentos de sistematização das práticas educativas e de cuidado em saúde, como também de reorientação e democratização das políticas de saúde.  A interface com a UECE possibilita interação dos vários movimentos e destes com as universidades.
 
 
Rio oficializa terapias naturais na rede pública de saúde
José Joacir dos Santos

O Estado do Rio de Janeiro publicou no Diário Oficial de 16 de junho de 2009 a Lei 5.471/2009, que inclui oficialmente as Terapias Naturais na rede pública de saúde do estado. Entre as terapias agraciadas estão: Massoterapia, Fitoterapia, Terapia Floral, Acupuntura, Hidroterapia, Cromoterapia, Aromaterapia, Oligoterapia, Geoterapia, Quiropraxia, Iridologia, Hipnose, Trofoterapia, Naturologia, Ortomolecular, Ginástica Terapêutica e Terapias da Respiração. Para que o profissional possa atuar na Rede Pública de Saúde, tanto no Rio de Janeiro como nos estados que seguirem essa tendência, precisa se filiar a uma entidade da classe da sua profissão, por exemplo o SATOSP (massagem, acupuntura) e a ASTEFLOR (florais) (www.asteflor.com). Este é um grande passo e os profissionais esperam que os demais estados sigam o exemplo do Rio de Janeiro, tendência que já ocorre em outros países. Veja a integra da Lei no site da ASTEFLOR (www.asteflor.com).  Esta é mais uma razão pelo qual o Terapeuta Reiki precisa urgente se filiar a uma entidade da sua própria classe, como a Associação dos Mestres e Terapeutas Reiki.
 
 
Reiki analisado pela Organização Mundial de Saúde.reiki

Estudos em hospitais provam sem dúvidas, os efeitos terapêuticos do Reiki no reforço do sistema imunitário, combate ao stress, diabetes, esclerose múltipla, doenças reumatológicas, regeneração de tecidos (queimaduras, recuperação de fraturas e pós-cirurgico), supressão da dor e dos efeitos secundários de tratamentos como a quimioterapia e radiação nos pacientes de oncologia, diminuindo também a ansiedade proporcionando-lhes, assim, mais conforto emocional e mais força para combater a doença.

 
HOSPITAIS E CLÍNICAS ONDE O REIKI É UTILIZADO COMO MEDIDA TERAPÊUTICA
USA - Nos Estados Unidos, a técnica é aplicada no pré e pós-operatório com relatos de pacientes cardíacos que não tiveram depressão e apresentaram recuperação rápida. A terapia complementar é utilizada ainda em transplantados para evitar a rejeição, e em pacientes terminais, quando o reiki pode ajudar para uma morte mais serena e sem dor.



Northern Westchester Hospital, N York (NY) - pacientes em geral
St.John’s Riverside Hospital,Yonkers,  N York - pacientes em geral
Memorial Sloan Kettering Cancer Center  - N York - pacientes em geral
Sammuels Center for Comprehensive Care - St. Lukes-Roosevelt Center  - N York
Morgan Stanley Children's Hospital of New-York Presbyterian:  oncologia infantil
Columbia University Presbyterian Medical Center, New York: Tratamentos Reiki a pacientes indicados pelo centro cirúrgico (Columbia Integrative Medicine Program), pacientes de cirurgia cardiotoráxica e funcionários
Program for Children with Cancer – Columbia, N York– oncologia
New York University Medical Center, N York -  Tratamentos reiki para crianças com câncer ou desordens do sangue (também cuidados posteriores), ambulatório pediátrico, esclerose múltipla, mulheres com incapacidades.
St. Mary's Hospital, Amsterdam, New York : Iniciações  Reiki
Maitri Adult Day Health Care, Yonkers, N York - pacientes em geral
Suny Downstate – Brooklyn, N York - pacientes em geral
Coney Island Hospital, Brooklyn, N York - pacientes em geral
St Peters Health Care, Albany, N York - pacientes em geral
Crouse Hospital, Syracuse, N York - pacientes em geral
Body Mind Center, Thompson Health – Canandaigua, N York - pacientes em geral
Clifton Springs Hospital – C Springs, N York - pacientes em geral
 
 
Cooper University Hospital-Cooper Cancer Institute, Voorhees, New Jersey (NJ)  – oncologia
Englewood Hospital and Medical Center, Englewood, New Jersey : pacientes em geral
Mountainside Hospital, Montclair, New Jersey - pacientes em geral
Center for Hope Hospice, Scotch Plains, N Jersey - pacientes em geral
Centra State Medical Center, Freehold, N Jersey - pacientes em geral
Morristown Memorial Hospital, Carol Simon Cancer Center, N Jersey - pacientes em geral
The Cleveland Clinic, Cleveland, Ohio (OH) – oncologia, cardio, funcionários/pacientes no geral
Metrohealth Medical Center, Cleveland, Ohio - pacientes em geral
Foundation Center for Integrative Medidcine, Lyndhurst, Ohio - pacientes em geral
Portsmouth Regional Hospital - pacientes em geral
Mercy Hospital  - Portland - pacientes em geral
Baystate Franklin Medical Center – Greenfield, Massachusetts (MA)   pacientes em geral
VNA and Hospice of Cooley Dickinson – Northhanpton, Massachusetts   pacientes em geral
Beverley Hospital – Lifestyle Mang. Inst.- Danvers, Massachusetts - pacientes em geral
Brigham and Women’s Hospital, Boston, Massachusetts : oncologia, pré e pós-cirúrgico, familiares e pacientes, iniciações para funcionários (manual escrito pelas enfermeiras), estudo Massachusetts General Hospital, Boston, Massachusetts : grade curricular do corpo de enfermagem, tratamentos para funcionários e pacientes de terapias complementares.
Harvard University, Boston/Cambridge, Massachusetts: (Harvard Medical School -
Massachusetts Institute of Technology):  Tratamentos no centro de câncer de  Harvard, fucnionários dos serviços de saúde da universidade, (Reiki mencionado como a melhor prática por uma das companhias de seguro saúde que trabalha com a universidade),
Lowell General Hospital, Lowell, Massachusetts  – oncologia
Children's Hospital Boston, Boston, Massachusetts   pacientes em geral
Dana Farber Cancer Institute, Boston, Massachusetts -  pacientes em geral
Spauling Rehabilitation Hospital Network, Medford, Massachusetts -   pacientes em geral
Yale New Haven Children’s Hospital, New Haven, Massachussetts - pacientes em geral
Johns Hopkins Hospital, Baltimore, Maryland (MD): Terapias complementares na grade  curricular do corpo de enfermagem
Carroll Hospital Center, Westminster, Maryland :saúde complementar - pacientes em geral
Memorial Hospital, Easton, Maryland - pacientes em geral
Frederick Memorial Healthcare, Maryland - pacientes em geral
Hartford Hospital, Connecticut (CT) : pacientes em geral
Yale-New Haven Hospital, New Haven, Connecticut :Reiki para famílias e UTI cardíaca, pacientes da cardiologia e da oncologia (acompanhamento - tratamentos posteriores)
Middlesex Hospital, Middletown, Connecticut - pacientes em geral
Stamford Hospital, Stamford, Connecticut : pacientes em geral
Windham Hospital, Willimantic, Connecticut : pacientes em geral
Norwalk Hospital Whittingham Cancer Ctr, Connecticut pacientes em geral
Concord Hospital, New Hampshire (NH) : tratamentos reiki para pacientes terminais
St. Joseph Hospital, Nashua, New Hampshire  – oncologia
Wentworth Douglass Hospital, Dover, New Hampshire   - pacientes em geral
Portsmouth Regional Hospital, New Hampshire  - pacientes em geral
Gifford Medical Center – Randolph, Vermont  (VT) - pacientes em geral
Mt.Ascutney Hospital – Windsor, Vermont - pacientes em geral
Southwestern Health Care – Bennington, Vermont pacientes em geral
Inova Fairfax Hospital, Cancer Program – Falls Church, Virginia (VA) - pacientes em geral
Washington Hospital Center, Washington DC (WA)  – oncologia
Center for Integrative Medicine at G.Washington University Hospital   -  D.C. pacientes em geral
Evergreen Hospice Services, Kirkland, Washington - pacientes em geral
Multicare Good Samaritan Home Health, Tacoma, Washington - pacientes em geral
York Hospital, York, Maine : pré, pós operatório e durante processo cirúrgico
California Pacific Medical Center (CA) - pacientes em geral
Saint Agnes Medical Center, Fresno, California : pacientes em geral
South San Diego Veterinary Hospital, San Diego, California : reiki para animais
Citrus Valley Medical Center, Covina, California - pacientes em geral
Sharp Memorial Hospital, San Diego, California - pacientes em geral
Hearst Cancer Resource Center, San Luis Obispo, California - pacientes em geral
St.Joseph’s Medical Center, Stockton, California - pacientes em geral
Duke Integrative Medicine – Durham – North Carolina (NC) - pacientes em geral
Frances Warde Health Service, Rosman, North Carolina - pacientes em geral
Heartland Hospice, Sugar Hill, Georgia (GA) - pacientes em geral
Allegheny General Hospital, Pittsburg, Pennsylvania (PA)  - pacientes em geral
Banner Heart Hospital, Mesa, Arizona (AZ) - pacientes em geral
St.Andrew’s Children’s Clinic – Nogales, Arizona - pacientes em geral
Universisty Medical Center Corp., Tucson, Arizona - pacientes em geral
Tucson Hospital Center, Tucson, Arizona - pacientes em geral
Arizona State Veteran Home, Phoenix, Arizona - pacientes em geral
Henry Ford Macomb Hospitals, Clinton Township, Michigan (MI) - pacientes em geral
Reproductive Medical Assoicates – Troy, Michigan - pacientes em geral
St John’s Hospital Healing Center – Grosse Pointe Woods, Michigan - pacientes em geral
Abott Northwestern, Minneapolis (MN)- pacientes em geral
Edward Hospital Cancer Center – Naperville, Illinois (IL) - pacientes em geral
Hawaii Pacific Health-Wilcox Memorial Hospital, Lihue, Hawaï : pacientes em geral
 
INGLATERRA
University College London Hospitals -  stress, desordens de humor, oncologia, endometriose
Southampton University Hospitals :   oncologia
Aintree University Hospitals, Liverpool :  assistência a idosos
Wallace Cancer Care - Addenbrooke’s Hosp-Cambridge University Hospitals : oncologia
South Tees Hospitals, Middlesbrough :   oncologia
Prince's Found. for Integrated Health (HRH Prince Charles's foundation) : terapia complementar
Breast Cancer Care (charity) : terapia complementar - oncologia
Newham University Hospital, London : projeto de Reiki para funcionários e pacientes
Coventry Community Drug Team - pacientes em geral
St.Giles Hospice, North Lichfield - pacientes em geral
 
CANADA
University Health Network-Princess Margaret Hospital, Toronto e Ontario : oncologia (pacientes e familiares) – terapias complementares
Université de Moncton, Nouveau-Brunswick :  Iniciações de Reiki no curriculum
Tilsonburg District Memorial, Ontario - pacientes em geral
 
AUSTRALIA
Sir Charles Gairdner Hospital, Nedlands, Western Australia : oncologia
Western Australia's Department of Health, Bunbury: programa de saúde para maiores de 55
St Patrick’s Care Centre, Fremantle, West Australia :  recuperação de alcoolatras e drogados
Queensland's Health : relaxamento para funcionários do  Central Highlands Health Services
 
ALEMANHA
CGG Klinik (Centrum für ganzheitliche Gynäkologie), Mannheim: Reiki para controle de dor e tratamentos oncológicos
St. Augustinus Krankenhaus, Düren : pacientes em geral
DRK Krankenhaus Lichtenstein (Red-Cross), Lichtenstein : pacientes em geral (fisioterapia)
 
SUIÇA
Groupe mutuel's Insurances (Seguros) Pagamento de Tratamentos de Reiki (cond.especiais)
SWICA Insurance  (Seguros): Pagamento de Tratamentos de Reiki  (saúde preventiva)
Supra Insurance  (Seguros) Pagamento de Tratamentos de Reiki (cond.especiais)
ASCA (foundação para o reconhecimento e desenvolvimento de terapias alternativas e complementares) :certificação oficial para terapeutas Reiki
RME (registro de medicinas empíricas) : certificação oficial para terapeutas Reiki
 
SOUTH AFRICA
Constantiaberg Medi-Clinic, Plumstead - pacientes em geral
 
EGITO
Center Prof.Hisham Hussein Imam, MD, Cairo - pacientes em geral
 
PORTUGAL
Hospital de oncologia - Porto
 
BRASIL
Grupo Hospitalar Conceição - RS, conta com voluntários aplicadores de Reiki.  Os voluntários atuam na Emergência, Acolhimento, Grupo do Câncer de Mama, Alívio da Dor, assistência espiritual, visitação aos leitos, Banco de Sangue,  Hemodiálise, Unidade de Atenção ao Adolescente, Central do Voluntariado, Centro de Atenção Psicossocial Adulto e Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas.
Centro Infantil Boldrini – Campinas,SP – www.boldrini.org.br/site/como_voluntariado.asp - Terapias de suporte.  Objetivo Central: oferecer aos pacientes internados no Centro Infantil Boldrini a Terapia de Suporte REIKI; oferecer relaxamento e bem-estar aos pacientes internados e/ou seus acompanhantes, através da aplicação da Terapia Reiki, sempre que eles aceitem e solicitem seu atendimento. Início em 2002, dentro do programa de Cuidados Paliativos, como Terapia Complementar. Posteriormente sua atuação foi ampliada para todos os pacientes do Hospital. Atuação nos leitos da Internação, UTI e TMO e na recepção do Hospital. Horário: das 9h às 19h, todos os dias da semana.  Pré-requisito: ter 24 anos e formação em REIKI certificada. Cidade Universitária - Campinas – SP
Outros serviços: promoção de cursos para formação em Reiki, em parceria com o IPEB;
promoção de cursos de atualização para voluntários ativos.
Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco - consultório onde a comunidade pode receber atendimento a preço popular, com direito a anamnese e acompanhamento.
Mato Grosso do Sul: http://www.agorams.com.br/index.php?ver=ler&id=113342 - A Secretaria Municipal de Saúde está iniciando o processo para implantação da Terapia Reiki no Sistema Único de Saúde (SUS). No dia 26 de outubro, acontece na Fazenda São Jorge, no Sidharte Lua (Espaço Reiki), um encontro com profissionais de saúde de nível superior da Rede Municipal de Saúde.
 
Hosp.Santa Izabel - Bahia www.correiodabahia.com.br/aquisalvador/noticia.asp?codigo=133291   
Profissionais do Hospital Santa Izabel usam técnica oriental para reduzir tempo de internação
Mariana Rios
Além de exames e medicamentos, as mãos. É o que médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e assistentes sociais de uma instituição hospitalar centenária estão aprendendo através do reiki – técnica de aplicação de energia baseado na medicina oriental. A disposição das mãos sobre certos pontos do corpo de pacientes proporciona bem-estar, relaxamento, autoconfiança e alívio para a dor. Ontem, quando completou 114 anos, o Hospital Santa Izabel oficializou a prática do método nas unidades de atendimentos e também entre os funcionários. Os benefícios de um programa iniciado por voluntários há um ano estimularam a adoção da técnica como terapia complementar, baseada no desbloqueio de campos energéticos para facilitar a cura. Da unidade de oncologia pediátrica, a idéia se espalhou para todo o hospital, com o objetivo final de reduzir o tempo de internação. Foram capacitados 18 profissionais, que concluíram o curso de formação em dezembro de 2006, e estão em ação no hospital. “Os profissionais têm reconhecidos os benefícios da técnica, que consiste na aplicação de energia através da imposição das mãos”, explicou a médica Maria de Fátima Freira, que coordena o serviço de nutrição enteral e parenteral do hospital.
Reconhecido pelas Organização Mundial de Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas (ONU), o método foi oficialmente apresentado durante o Encontro de Práticas para Saúde Integral. No hospital, cerca de 60% dos pacientes aceitam a prática com bons resultados.
Qualquer paciente pode se submeter ao tratamento, já oferecido nas unidades de terapia intensiva (UTI) e apartamentos para diminuir a ansiedade. Similar ao que acontece na acupuntura – mas sem a ajuda das agulhas, o reiki possibilitaria a passagem da energia vital nos meridianos do corpo humano. Num ambiente tão cientificista, a técnica enfrenta resistência, como na sociedade em geral, em razão do desconhecimento da medicina oriental, que tem o equilíbrio da energia vital em sua base. “É uma mudança de foco de visão. Estamos intervindo para melhoria da qualidade de vida e do relacionamento pessoal”, ratificou Maria de Fátima, pontuando que o método não é utilizado como único agente de cura.
A psicóloga voluntária Renata Sims Coan – que iniciou o projeto pioneiro na unidade junto à unidade de onco-hematologia pediátrica Erik Loeff – comemora a expansão para outros hospitais da cidade. Ela conta que foram observados nos pacientes infantis relaxamento, mudança de humor, além de melhora na alimentação e no sono.
“Procuramos falar numa linguagem bem clara para os pais sobre o que estávamos propondo: passar energia pelas mãos para proporcionar sensação de bem-estar, sem cunho religioso. Além do Santa Izabel, o São Rafael e o Aristides Maltez mostraram interesse na terapia complementar”, contou Renata. O atendimento é individual e realizado no leito. companhantes e pais, e mesmo pacientes, que podem se auto-aplicar, se mostraram interessados em também aprender a técnica e receberam treinamento gratuito dos voluntários.
 
O Ministério do Trabalho, no Brasil, reconheceu o Reiki como profissão isolada, enquadrado dentro das atividades de práticas integrativas e complementares em saúde humana, recebendo o código 8690-9/01 da CONCLA (Comissão Nacional de Classificação), órgão responsável pela classificação de profissões e ligado ao Ministério do Trabalho e ao IBGE.
Sou médico há 17 anos, formado pela Faculdade de Ciências Médicas da UERJ. (...). Trabalho no Hospital Pedro Ernesto (HUPE), também na UERJ. Sou lotado na Disciplina de Medicina Integral da FCM  (...)....de uma maneira inesperada encontrei o Reiki.Desde então, tenho acesso a um poderoso instrumento de cura que uso associado aos meus conhecimentos médicos ...
 
Dr Ozéas M Simões. Médico Clínico Geral e Sanitarista In De Carli, 2000, p.16
 
Texto recebido por e-mail - Círcia 

  Site Map